Sesc Vila Mariana realiza mostra de Geraldo de Barros

geraldo_de_barros_jogos_de_dados_credito Divulgação_b

Jogos de Dados – Série explora a geometria e as cores

 

O Sesc Vila Mariana inaugurou na quinta-feira passada (dia 11/07/13) a exposição ‘Geraldo de Barros: Jogos de Dados + Sobras (1980-1990)’, ocasião em que foi lançado o livro ‘Geraldo de Barros: Isso’ (edições Sesc SP), organizado por Fabiana de Barros, filha do artista. A publicação faz um resgate histórico da obra do paulista Geraldo de Barros (1923-1998). A exposição, em cartaz até 08/09/13, conta com trabalhos de a partir dos anos 1980 integrantes de duas séries.

‘Jogos de Dados’ é uma série de 55 peças. Foi concebida nos anos 1980 na fábrica de móveis personalizados Hobjeto (fundada pelo artista em 1964) e faz referência a processos industriais. É composta por obras com formas geométricas variadas, feitas em fórmica. Tem uma peça principal, chamada ‘Pai de Todos’, e outras 54 derivadas.

Três painéis dessa série, datados de 1991, ficam expostos permanentemente na estação Clínicas do Metrô. Nessas obras, com o uso de figuras geométricas e de cores, são criados efeitos de tridimensionalidade no suporte bidimensional: o suporte é plano, mas a composição sugere profundidade e, assim, vemos cubos, os ‘dados’ do título da série.

Já a outra série da mostra no Sesc, chamada ‘Sobras’, é resultado de experimentos com fotografia feitos dos anos 1990 até o fim da vida do artista. Ele utilizou acervo fotográfico pessoal (artístico e familiar) para compor as obras. São manipulações de imagens, como recortes, montagens e colagens de negativos. As quase 300 peças de ‘Sobras’ são expostas por meio de duas projeções: uma apresenta todo o conjunto; e a outra traz um documentário em que o autor realiza as manipulações.

O evento conta também com encontros que têm como objetivo estimular a integração entre o público e artistas e especialistas em arte convidados. Eles ocorrem hoje (16/07/13) e em 23/07/13, sempre às 19h30. O ciclo termina com um debate em agosto.

Geraldo de Barros foi um artista versátil e de ideias pioneiras. Entre 1946 e 1951, criou a série ‘Fotoformas’: intervenções em negativos fotográficos, os quais cortava, pintava e perfurava, além de sobrepor imagens, explorando a abstração e a geometria. Também nos anos 1950, foi um dos fundadores do Grupo Ruptura, marco inicial do concretismo no Brasil, movimento que explorou a geometria, entre outras características. Nos anos 1960, junto a outros cinco artistas, formou em São Paulo (SP) o grupo de vanguarda Rex, marcado pela irreverência, humor e crítica ao sistema de arte. O grupo teve curta duração, mas foi de importância fundamental para a história da arte brasileira.

|

Sesc Vila Mariana: Rua Pelotas, 141, tel. (11) 5080-3000. Grátis. Ter. a sex., das 10h às 21h30; sáb., das 10h às 20h30; e dom., das 10h às 18h30. http://www.sescsp.org.br

|

|

Texto de Everaldo Fioravante publicado em 16/07/2013 no jornal ‘Metrô News’.

Foto: Divulgação

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s